Arroz e feijão: o par perfeito

16/04/2012


Saído de livros de histórias ou de processos de colonização, bem misturado com o jeitinho brasileiro de colocar o que não parece óbvio junto, e dar certo, aí nasce o Arroz com feijão, que tem a maior audiência nos almoços e jantares, das casas mais simples aos palacetes, de norte a sul e de leste a oeste desse país. Em entrevista, a nutricionista Clarissa Magalhães Cervenka, especialista em alimentação e nutrição infantil e de adolescentes, conta histórias e grandes valores nutricionais dessa especialidade brasileiríssima.

 

Como nasceu essa combinação Arroz e Feijão?

De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o arroz branco foi incluído na alimentação devido à forte influência portuguesa. Já o feijão, segundo publicação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO), incorporou-se à culinária primeiro pelas mãos dos indígenas, que comiam a leguminosa com farinha, e depois com os negros escravos, que tinham o hábito de ingerir feijão em todas as refeições. Mas foi Dom João VI quem primeiro apreciou no Brasil a mistura que até hoje sustenta milhares de pessoas.

 

É verdade que Arroz e feijão é uma das melhores combinações para evitar a desnutrição?

Sim, o arroz e feijão são, de fato, uma dupla rica em nutrientes. Esses alimentos se complementam. Elementos nutricionais que um não tem, o outro tem. Segundo a Embrapa, um prato de arroz com feijão (em média uma concha de feijão é duas colheres de serviço de arroz) garante a absorção de mais de 80% de proteína. O arroz é rico em carboidratos (que fornecem principalmente energia), minerais e vitaminas, como as do complexo B. Além disso, contém fibras e metionina, aminoácido essencial, ou seja, que deve vir da alimentação já que o corpo humano não produz, e que ajuda a processar gorduras e preservar a função hepática. O feijão contém vitaminas B1, B2, B3 e B9. Possui sais minerais - como potássio, ferro, fósforo, cálcio, cobre, zinco e magnésio e lisina, outro aminoácido essencial, que contribui para o crescimento de crianças e adolescentes e para a restauração de tecidos.

 

Tem quantidade mínima e máxima para aproveitar melhor os nutrientes?

A quantidade ideal dependerá de cada indivíduo, ou seja, das necessidades nutricionais exigidas pela idade, sexo, estado biológico (gestante, idoso, crianças). Entretanto, a proporção ideal de consumo é de 2 partes de arroz para 1 de feijão (2 colheres de servir de arroz para 1 de feijão). 100g (1 colher e ½ de servir) de Arroz branco fornece 128kcal e 50g (1 concha) de feijão fornece 77 kcal. Se uma criança que necessita, em média, de 1000kcal por dia, come 2 pratos de arroz e feijão, já recebe 40% do total das calorias.

 

Quais tipos de legumes, verduras e carnes são mais adequados para a combinação?

Quaisquer tipos de hortaliças são combinações adequadas ao arroz e feijão. O feijão é uma boa fonte de ferro, entretanto, nosso organismo absorve melhor o ferro presente em carnes. Assim podemos aumentar a absorção do ferro, consumindo o feijão com alimentos ricos em vitamina C, como frutas cítricas e verduras folhosas verde-escuras.

 

A partir de que idade pode-se começar a comer Arroz e feijão?

Quando o lactente (bebê que ainda mama) inicia a alimentação complementar ao leite materno, por volta dos 6 meses, já é possível introduzir o arroz, de consistência mais amolecida e o caldo de feijão.

 

Existe restrição a algum tipo de pessoa?

As restrições de consumo referem-se principalmente ao feijão e podem ocorrer em casos de problemas de absorção dos nutrientes, por exemplo, diverticulite intestinal. Entretanto, são situações específicas, que devem ser avaliadas por médicos e nutricionistas.

 

O arroz e feijão juntos formam uma base nutritiva para a alimentação, mas é sempre importante completar com os demais nutrientes que o organismo precisa. Consulte um nutricionista para melhores orientações.

 

 

Fonte: Dorflex

 



Veja também