Reeducação alimentar

11/07/2012


A melhor maneira de manter a forma não é com através de dietas mirabolantes e sim com uma reeducação alimentar. É o que afirmam os nutricionistas. A mudança de dieta não deve se restringir apenas à escolha dos alimentos, também é preciso m astigar corretamente, estabelecer horários para se alimentar e dar continuidade ao novo estilo alimentar.

 

A idéia não é fazer uma dieta por um tempo estabelecido, o ideal é aprender a ter hábitos alimentares saudáveis para se ter uma melhor qualidade de vida.

 

A nutricionista Maria Valéria Nascimento lembra que cada pessoa deve seguir uma reeducação individual. “Temos várias faixas etárias com necessidades nutricionais diferentes, além de gestantes, atletas, e cada vez mais uma população com doenças precoces, ou seja, diabetes, obesidade surgindo inclusive na infância. Temos que introduzir novos hábitos alimentares justamente para minimizar esses sintomas e essas consequências”, avisa.

 

Tentar fazer uma reeducação alimentar sozinho não é recomendado. Uma boa conversa com o nutricionista ajuda não só a conhecer os alimentos adequados como a reconhecer a importância de adotar uma nova postura, sem a ansiedade em querer fugir das regras. “Muitas pessoas pulam o café da manhã, passam a noite em jejum e acabam prolongando demais isso. O pico da fome e da ansiedade será no final da tarde, quando a pessoa quer comer tudo que vê pela frente. Por isso é importante conhecer o paciente para se fazer uma reeducação alimentar”, orienta Maria Valéria.

 

O sacrifício do início é a garantia de benefícios por muito tempo. Maria Valéria garante que as mudanças são marcantes e incentivam a continuidade dos bons hábitos. “É muito bom notar a diferença que uma reeducação alimentar faz. A gente vê a mudança na vida das pessoas, a diminuição do peso, a diferença na pele, no cabelo, a pessoa fica com ânimo para começar bem o dia, energia para as atividades do dia a dia.”

 

Aliados da reeducação – Mastigar corretamente, respeitar os horários e conhecer os alimentos que auxiliam nesse processo são princípios essenciais para se ter bons hábitos alimentares. Para evitar a compulsão, o recomendado é se alimentar de duas em duas horas ou de três em três, de acordo com o combinado pelo nutricionista.

 

Observar a mastigação também é essencial. “Ela é nossa primeira digestão. O intestino depende da nossa mastigação para funcionar corretamente. As pessoas estão comendo muito rápido e engolindo a comida com muito líquido durante a refeição”, alerta Maria Valéria. “É importante não beber líquidos durante a refeição, pois ela foi feita para mastigar. Deixe a bebida para uma hora ou quarenta minutos antes ou depois”, complementa.

 

Os alimentos funcionais ajudam nesse novo processo de reeducação alimentar. “Nós trabalhamos atualmente com todos os alimentos funcionais, ou seja, aqueles que têm benefícios já estudados e comprovados. Temos alimentos que vão diminuir a ansiedade, temos as fontes de fibras muito importantes para a saciedade, as vitaminas, os minerais e todas as fontes de nutrientes”, elucida a nutricionista.

 

Maria Valéria lista alguns alimentos funcionais: gorduras benéficas, como azeite extra-virgem, abacate e outras frutas oleaginosas; verduras são ricas em fibras para diminuir o colesterol, a glicemia e aumentar a saciedade, como a alface; as frutas, quanto mais coloridas mais vitaminas terão; e fitoquímicos como o morango, o alho, óleos vegetais, auxiliam o sistema imunológico.

 

 

Fonte: blog da Saúde

 



Veja também