Algumas doenças que podem causar raiva e agressividade

23/08/2012


Ficar com raiva de alguém ou de uma situação é normal em momentos da vida, mas estar sempre nervoso ou mal-humorado pode ter explicações que vão além de um gênio difícil. Essas características podem ter causas médicas ou serem resultados de efeitos colaterais de certos tipos de remédios.

Surpreendentemente existe um grande número de doenças que têm a raiva e irritabilidade como sintomas e certos medicamentos também podem evidenciar estes traços da personalidade. Conheça algumas dessas doenças:

 

 Colesterol alto: cerca de sete milhões de britânicos tomam remédios para reduzir os níveis de colesterol no sangue e evitar doenças cardíacas. No entanto, uma das reações deste tratamento pode ser o mau humor. Um estudo feito na University of California, nos Estados Unidos, avaliou que seis pacientes que sofriam de irritabilidade excessiva melhoraram após largar estes medicamentos. "Uma teoria é que baixos níveis de colesterol diminuem também a quantidade de serotonina no cérebro, o hormônio responsável pela alegria. Com isso, as pessoas têm maior dificuldade de controlar a raiva", afirmou Steve Bazire, professor da School of Pharmacy.

 

Diabetes: o baixo nível de açúcar no sangue pode causar súbitas explosões de raiva. A hipoglicemia, estado determinado por níveis de glicose inferiores ao normal, pode acontecer em pessoas que apresentam diabetes tipos 1 e 2. Quando acontece, ela afeta o cérebro e todo o corpo, causando um desbalanceamento dos componentes químicos, incluindo a serotonina. Em minutos, pode provocar agressividade, raiva, confusão, inquietação e ataques de pânico. O melhor tratamento indicado é comer ou beber alguma coisa que contenha glicose assim que possível e, provavelmente, voltará a se sentir bem em 20 minutos. "Como em alguns casos de diabetes é comum haver baixas do nível de açúcar, a raiva excessiva pode aparecer simplesmente quando a pessoa está com fome", afirmou a Dra. Stokes-Lampard.

 

Depressão: a doença não é expressada somente pela tristeza, mas também pela irritabilidade. "Outros sintomas podem ser também raiva, agitação e irritação", disse o Dr. Paul Blenkiron, psiquiatra do Bootham Park Hospital. Estas características são apontados particularmente nos homens, pois eles experimentam menos os sentimentos de falta de esperança e descontentamento com si mesmos do que as mulheres. "Esta forma extrema de depressão afeta 5% das pessoas que têm a doença. Inquietação, insônia e pensamentos negativos também são outros sintomas", explicou a Dra Stokes-Lampard.Como a depressão também é relacionada aos níveis de serotonina no corpo, o tratamento envolve antidepressivos ou terapias alternativas, para tentar afastar os pensamentos negativos.

 

Epilepsia: alguns pacientes têm picos de raiva após convulsões, sintoma que pode durar de poucos minutos até dias. Nestes casos, usar medicamentos específicos é a melhor solução. "As convulsões são desencadeadas por repentinas explosões químicas no cérebro. Isto causa uma interrupção na mensagem passada entre as células e, em casos mais graves, pode determinar rompantes de agressividade e perda de consciência", explicou a Dra. Hannah Cock, neurologista do St. Georges Hospital, de Londres.

 

Tensão Pré-Menstrual (TPM): as mulheres sempre passam por "aqueles dias do mês" em que as emoções ficam, muitas vezes, incontroláveis, com picos de raiva e depressão, mas há uma explicação para isso. A síndrome pré-menstrual acontece quando os níveis dos hormônios, como estrógeno e progesterona, caem no fim do ciclo menstrual, geralmente na semana antes da menstruação. "Apesar do mecanismo não ser totalmente entendido pela medicina, este resultado parece ter um efeito devastador sobre a serotonina", disse a Dra. Stokes-Lampard, especialista em saúde da mulher. O mesmo processo pode acontecer também na menopausa, também devido a queda do estrógeno.

 

Insônia: dormir mal é uma das causas gerais de distúrbios de comportamento, mas alguns remédios usados para tratamento de insônia podem ativar uma agressividade excessiva, segundo o professor Bazire. As benzodiazepinas, que às vezes são prescritas também para controle de ansiedade, trabalham na desaceleração das funções cerebrais e, mesmo afetando 1% dos usuários, pode transformar personalidades já com características de irritabilidade ainda mais agressivas. Trocar o medicamento é a melhor solução.

 

 Acidente Vascular Cerebral: perder a cabeça pode ser comum após ter um acidente vascular cerebral. O derrame acontece quando o fornecimento de sangue é interrompido causando a morte das células cerebrais. "A parte do cérebro afetada é a inferior da lobo frontal, que lida com a habilidade de sentir empatia pelas pessoas e controlar as emoções, inclusive a raiva", disse o Dr. Gross.

 

 

 

Fonte: Terra

 

 

 

 



Veja também