Uso de flúor em bebês é indicado

02/05/2014


Segundo uma nova orientação da American Dental Association (ADA), os pais podem usar uma pequena quantidade de pasta de dente com flúor, assim que os primeiros dentinhos de seus filhos começarem a nascer. A quantidade inidicada equivalente a um grão de arroz, duas vezes por dia, até os três anos de idade.

 

A mudança em relação ao flúor, que antes era recomendado apenas depois dos 2 anos, veio para combater o aumento da cárie na infância. Segundo a ADA, 25% das crianças tem ou já teve cárie antes mesmo de entrar no jardim de infância.

 

É importante que os pais sejam bastante rigorosos quanto a quantidade de flúor indicada pelos especialistas. “Se utilizada na quantidade correta, a pasta de 1000 ppm de flúor não faz mal para a formação dos dentes nem para a criança que não sabe cuspir ainda”, diz Cássio José Fornazari Alencar, especialista em Odontopediatria pela USP.

 

Caso a criança ingira uma quantia maior do que a devida, ela pode desenvolver a fluorose ou sofrer intoxicação. “A fluorose é um tipo de defeito no esmalte, é quando os dentes se formam com algumas alterações de cor que vão desde o esbranquiçado até o acastanhado”, explica Ana Lídia Ciamponi, professora e doutora em ciências Odontológicas pela USP.

 

Nesta fase, a higienização deve ser feita com uma gaze ou um paninho molhado com água filtrada, assim, além de o bebê ir se acostumando com o ritual, esse cuidado ajuda a diminuir o risco de infecções na região. “Recomendamos também o uso de mordedores para massagear a gengiva no processo de erupção dentária (nascimento dos dentes)”, explica Ana Lídia

 

Assim que os dentes iniciam a erupção a limpeza deve ser realizada com uma dedeira de silicone ou até mesmo com uma escova de cabeça pequena e extra macia para que o procedimento não machuque o bebê.

 

É por isso que se recomenda que a primeira visita ao dentista seja ainda na barriga da mãe, assim ela pode receber todas as instruções necessárias sobre os cuidados bucais que deve ter com seu filho assim que ele nascer. Já com o bebê no colo, a mãe pode levá-lo ao dentista quando começar a aparecer seu primeiro dentinho, período que gira em torno dos seis meses de idade.

 

Fonte: TERRA



Veja também


Pesquisa apresentada diz que uso da maconha não é inofensivo

Segundo as conclusões de um estudo feito pelo professor Wayne Hall, conselheiro sobre drogas da Organização Mundial de Saúde, o uso de maconha a longo prazo não é inofensivo, seu consumo é altamente viciante, aumenta as chances de desenvolver doenças psíquicas - como a esquizofrenia - e é porta de entrada para outros tipos de entorpecentes.

O especialista levantou alguns pontos que supostamente mostram como a maconha devasta o cérebro:

1) Um em cada seis adolescentes que fumam maconha regularmente se torna dependente.
2) A maconha dobra o risco de desenvolver doenças psíquicas, como a esquizofrenia.
3) Usuários frequentes apresentam desenvolvimento intelectual insatisfatório, por isso vão pior nos estudos e trabalho.
4) Um em cada dez adultos que fuma regularmente se torna dependente e tem tendência a consumir drogas mais pesadas.
5) Dirigir após fumar aumenta os riscos de acidentes no trânsito, que crescem ainda mais caso a pessoa tenha ingerido bebida alcóolica.
6) Fumar maconha durante a gravidez reduz o peso do bebê.

"Se a maconha não causa dependência, também não causam a heroína e o alcóol. Para nós, geralmente é mais difícil ajudar pessoas que usam maconha do que aqueles que consomem heróina. Nós não sabemos como fazer isso", explica o especialista.

Segundo o estudo, ao tentar reduzir o consumo da droga, as pessoas geralmente sofrem com crises de ansiedade, insônia, distúrbios de apetite, depressão. E, após o tratamento, a maior parte delas não consegue se manter longe da maconha por mais que seis meses.

"Quero mostrar que o uso prolongado e frequente da cannabis tem consequências. Não há dúvidas que usuários pesados enfrentam crises de abstinência parecidas com alcóolatras e usuários de heroína", afirma o responsável pelo estudo.  

Fonte: TERRA