Especialista garante que bebidas zero são seguras à saúde

18/08/2014


“Todos os adoçantes aprovados para uso em alimentos no Brasil são seguros”. É o que assegura a engenheira de alimentos Maria Cecilia de Figueiredo Toledo, professora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A regra também se aplica para as bebidas adoçadas artificialmente conhecidas no mercado como "light" ou "zero".

 

"Não há registro na literatura científica de danos à saúde causados pelo uso desses adoçantes como parte de uma dieta equilibrada. Pelo contrário, quando substituem o açúcar, esses aditivos trazem benefícios não só para diabéticos, mas também para aqueles que visam perder peso ou reduzir a ingestão calórica", comenta Maria Cecilia, que trabalha há 35 anos com aditivos alimentares e é especialista em adoçantes.

 

O motivo para tanta desconfiança, diz ela, são informações equivocadas que circulam na internet associando esses ingredientes a problemas de saúde.

 

A principal diferença entre o refrigerante zero e o normal, explica Maria Cecilia, é que a versão regular contém açúcar e a versão zero substitui esse nutriente por adoçante, o que faz com que ele não tenha calorias.

 

A engenheira da Unicamp explica ainda que todos os adoçantes usados em alimentos e bebidas no Brasil foram aprovados por comitês científicos de especialistas, que estabeleceram valores de Ingestão Diária Aceitável (IDA) para cada um deles.

 

A IDA, expressa em mg/kg de peso corpóreo, representa a quantidade máxima do aditivo que pode ser ingerida diariamente sem danos à saúde humana.

 

"Em geral, é muito difícil ultrapassar esse limite, já que seria necessário o consumo de muitos litros da bebida", afirma.

 

"Uma lata de refrigerante zero de 350ml costuma ter em média 30mg de aspartame. Para alguém atingir o limite da ingestão de aspartame, teria que consumir diariamente 80 unidades", calcula.

 

Algumas bebidas zero podem apresentar uma quantidade de sódio maior do que a versão regular, em função do uso de adoçantes que contêm sódio, como é o caso da sacarina de sódio e do ciclamato de sódio.

 

"No entanto, ainda assim a quantidade de sódio é muito baixa se comparada à de outros alimentos e, por isso, essas bebidas são consideradas produtos com baixa concentração de sódio", esclarece.

 

Fonte: Terra



Veja também