Pesquisa diz que 52,5% dos brasileiros têm excesso de peso

27/04/2015


Segundo estudos do Ministério da Saúde, 52,5% dos brasileiros estão acima do peso. No entanto, eles estão praticando mais atividade física e buscando uma alimentação com menos gordura. Apesar do índice de obesidade ficar estável no país, o número de brasileiros acima do peso é cada vez maior. Os dados são da pesquisa Vigitel 2014 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico).

 

Segundo o órgão, a taxa de pessoas acima do peso era de 43% nove anos atrás - o que representa um crescimento de 23% no período. Também preocupa a proporção de pessoas acima de 18 anos com obesidade (17,9%), embora este percentual não tenha sofrido alteração nos últimos anos. Os quilos a mais na balança são fatores de risco para doenças crônicas, como as do coração, hipertensão e diabetes, que respondem por 72% dos óbitos no Brasil.

 

Entre os homens e as mulheres brasileiros, são eles que registram os maiores percentuais. O índice de excesso de peso na população masculina chega a 56,5% contra 49,1% entre as mulheres, embora não exista uma diferença significativa entre os dois sexos quando o assunto é obesidade. Em relação à idade, os jovens (18 a 24 anos) são os que registram as melhores taxas, com 38% pesando acima do ideal, enquanto as pessoas de 45 a 64 anos acima do peso ultrapassam 61%.

 

Realizada desde 2006 pelo Ministério da Saúde, a pesquisa serve para subsidiar as ações de promoção da saúde e prevenção de doenças, uma vez que avalia a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira. O Vigitel 2014 entrevistou por inquérito telefônico 40.853 pessoas com mais de 18 anos que vivem nas capitais de todos os estados do país e do Distrito Federal, entre fevereiro e dezembro de 2014.

 

Além do avanço do excesso de peso e da obesidade, outros indicadores levantados pelo Vigitel também apontam para o maior risco de doenças crônicas entre os brasileiros. Do total de entrevistados em todo o país, 20% disseram ter diagnóstico médico de colesterol alto. Nesse caso, são as mulheres que registram percentual acima da média nacional, de 22,2%, contra 17,6% entre os homens. Em ambos os sexos, a doença se torna mais comum com o avanço da idade e entre as pessoas de menor escolaridade.

 

 

Fonte: Minha Vida



Veja também