Como lidar com uma pessoa em depressão

23/08/2019

aldesul   cuidados   dica   doença   medicamentos   vida  


Imagine ficar preso em um momento triste e não conseguir desviar os pensamentos dele, nem enxergar que a vida vale a pena? Esses são alguns dos pensamentos que estão na cabeça de quem vive um quadro depressivo. Cada um vive a depressão de uma forma. Há quem não consiga sair da cama, há quem se encha de compromissos para evitar momentos de crise mais fortes. De um lado, há o fato de que a depressão é um quadro difícil de compreender quando nunca se passou por ele. Por outro, sabe-se que é importante ter uma rede de apoio formada por amigos e família.

Esqueça a imagem da pessoa magra, pálida e que não consegue sair de casa. A depressão não tem cara, e muita gente tenta esconder essa condição às vezes até de si mesmo. Além disso, verbalizar a frase "eu estou com depressão" não é fácil, já que pode acabar colocando sobre si um imagem de fragilidade quem nem todos estão dispostos a encarar.

Descobrir que alguém próximo está passando pela doença é essencial para ajudá-lo da maneira correta. Alguns sinais não tão óbvios aparecem no comportamento e no discurso.

O principal sinal da depressão é quando a pessoa entra num estado de melancolia e não tem iniciativa para fazer coisas novas. Notar perda de interesse em mudar os objetivos de vida é comum em que está em um quadro depressivo.

A depressão também pode levar a sintomas frequentemente associados ao estresse. Nem sempre há perda da vontade de comer, já que o apetite pode aumentar muito. Nem sempre a pessoa aparenta a tradicional apatia, mas pode demonstrar irritabilidade, mau humor constante e dificuldades de concentração. Além da culpa constante muito presente no discurso de quem está com depressão.

Esses sinais podem ser apresentados por pessoas que estão ao seu lado no trabalho ou frequentando os mesmos círculos sociais que você.

O papel de ajudá-las é dos profissionais da saúde mental. O psicólogo lida com as causas e o ensina a encontrar uma maneira mais saudável para se colocar na vida, enquanto o psiquiatra entra com a medicação que aliviará os sintomas. Ajudar quem está com depressão a passar por esse momento exige aprender a se conectar com as pessoas da forma correta.

O ideal é conversar de forma com que a pessoa com depressão não sinta que seus sentimentos estão invalidados. Muito além de prestar a atenção às palavras, a chave é a empatia para valorizar os sentimentos sem julgá-los. Não insinuar que a pessoa é fraca por estar com depressão ou que podia estar em um hospital, e que a vida poderia ser pior. 

Quando se convive com uma pessoa que está com depressão, é importante pesquisar sobre a doença. Só assim você vai perceber o que é comportamento dela e o que é do transtorno. Relevar os argumentos negativos e saber que isso faz parte da doença pode auxiliar para que se tenha paciência com o discurso , que é sempre bem pessimista.

Às vezes simples questionamentos mais profundos em um momento errado faz com que alguém reviva momentos e pense sobre assuntos que não queria acessar no momento. Além disso, se conectar a pessoas que estão em depressão pede mais que palavras, e sim gestos.

Nem sempre forçar a pessoa a estar em situações em que ela supostamente ficará mais animada, como uma festa, é um jeito de ajudá-la a superar sua doença. Ser uma boa companhia para desviar a atenção para a tristeza profunda pode ser uma saída para que a pessoa possa pensar em fazer algo para mudar a situação.

Um passeio pelo parque pode ser uma boa opção para que entre em contato com a natureza e abra os pulmões ouu apenas vá visitá-la para bater um papo, assistirem a um filme juntos em casa, mesmo, ou fazer algo que ela goste. Tente lembrá-la do que ela gostava de fazer e convide-a a tentar retomar algo.

Fonte: Minha Vida. 



Veja também